Loading...

terça-feira, 10 de março de 2015

Planos, Eixos e Movimento com pãezinhos

Muito criativo esse professor. Ele faz um excelente resumo que torna possível a compreensão inclusive de leigos.

Contração Muscular Isométrica

A contração muscular é dita isométrica quando a tensão muscular aumenta, mas não há alteração do comprimento dos músculos e as articulações não se movem. Na contração isométrica, o músculo gera força sem que ocorra encurtamento muscular. Nessa condição, a tensão muscular aumenta, mas não ocorre movimento. Os músculos posturais do corpo, que atuam para nos manter em posição estática durante longos períodos enquanto estamos em pé ou sentados estão em contração isométrica.

Algumas das posturas de ioga, conhecidas como asanas, são excelentes exemplos de contrações isométricas. Abaixo, coloco algumas fotos nas quais estou executando duas posturas de ioga, que são Viviparita-karani e Trikonasana. Essas duas posturas promovem principalmente o fortalecimento dos músculos dos membros inferiores e paravertebrais.




Quais seriam os tipos de fibras musculares esqueléticas predominantes em um maratonista, um velocista e um halterofilista?


Os músculos que usamos para mover nossos membros compõem-se de muitas células individuais, conhecidas como fibras musculares.  Essas fibras se juntam para formas os longos e finos feixes musculares que dão à carne sua natureza descrita como filamentar. Por sua vez, os feixes musculares são reunidos em músculos, que estão presos ao esqueleto por tendões. As fibras musculares podem ser de dois tipos:
a) Fibras de contração rápida: como seu nome sugere, os músculos rápidos se contraem rapidamente, mas cansam-se rapidamente. São usados para exercícios breves, de grande intensidade, como corridas de velocidade e levantamento de peso, bem como esportes que envolvem curtas arrancadas de atividade intensa. Esses músculos dependem, sobretudo, do metabolismo anaeróbico, que não requer oxigênio.
b) Fibras de contração lenta: os músculos lentos se contraem em menos da metade da velocidade dos rápidos, mas são muito resistentes à fadiga. São especializados no metabolismo aeróbico dependente do oxigênio e são usados em esportes de resistência como corrida (maratona) e natação de longa distância.

Para concluir, podemos afirmar que fibras de contração rápida, de arrancada, predominam em velocistas e levantadores de peso, e em contrapartida, um maratonista possui mais fibras de contração lenta. Contudo, não podemos esquecer que existe uma grande diferença na porcentagem dos vários tipos de fibras mesmo entre atletas do mesmo esporte, nível e faixa-etária.

Fonte: Estudos da Professora Andréa Sechini